“Rombo” da campanha de Robinson Faria é considerada como a terceira maior entre governadores do Brasil


O Governo do Estado está custando caro para os dois principais candidatos, Henrique Eduardo Alves (PMDB) e Robinson Faria (PSD). Afinal, os dois juntos, já gastaram cerca de R$ 15 milhões para conseguir sentar na cadeira hoje ocupada por Rosalba Ciarlini (DEM) no próximo ano. Cada um já gastou, sozinho, mais de R$ 7 milhões para ser governador do Estado. 

Pior para Robinson Faria, que gastou mais que Henrique Alves até o momento, estando com uma despesa que, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), chegou aos R$ 7,732 milhões, mas arrecadou bem menos: apenas R$ 1,633 milhão. A diferença é tão grande que a campanha de Robinson no Rio Grande do Norte foi destaque na Folha de São Paulo, como uma das que tem o maior “rombo” no Brasil. 

 Segundo o jornal, o candidato do PSD, com R$ 6,1 milhões de diferente entre receita e despesa, só fica atrás de Alexandre Padilha, candidato em São Paulo, com R$ 30 milhões de déficit; e Reinaldo Azambuja, de Mato Grosso do Sul, com R$ 8 milhões.