Caso se livre da Operação Lava Jato, Henrique Alves vai para o Ministério de Dilma

A informação é do colunista Ilimar Franco. A demora para fazer nomeações para o segundo escalão amplia a tensão e a pressão dos partidos sobre o Planalto. Os ministros ficam impedidos de nomear a sua equipe e os aliados mantém a guerrilha de trincheiras pelos espaços de poder. A sorte de muitos, como os citados na Operação Lava-Jato, depende se a PGR abrirá inquérito contra o citado ou enviará pedido de abertura de processo ao STF.

Um assessor da presidente Dilma citou como exemplo o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB). Citado pela mídia, no contexto da Lava-Jato, ele será ministro (substituindo Vinícius Lages no Turismo) no caso de a PGR livrá-lo de processo ou investigação. “E a (presidente) Dilma, aguenta até o final do ano? Não vamos ter um impeachmentzinho?”