Há um ano, Brasil perdia por 7 a 1 da Alemanha


Nesta quarta-feira faz exato um ano da maior tragédia do futebol brasileiro, até mais do que a derrota para o Uruguai na final da Copa de 1950, o Maracanazo. Em 8 de julho de 2014, a Seleção Brasileira era massacrada impiedosamente pela Alemanha no Mineirão por 7 a 1 na semifinal do Mundial. Quatro gols foram anotados em apenas seis minutos num atordoado Brasil, que sonhava com o hexa em casa. O técnico Luiz Felipe Scolari foi considerado o principal culpado pelo fiasco, que não teve o craque Neymar, ele deixara a equipe dias antes, na vitória de 2 a 1 sobre a Colômbia pelas quartas de final, lesionado. 

A goleada foi o símbolo de como o futebol brasileiro está atrasado, com administração ultrapassada da CBF. A entidade não tem uma rotatividade de poder. Passado um ano do desastre, ainda não existe um projeto concreto para melhorar o futebol do país, que perde os seus talentos precocemente, principalmente para a Europa. O presidente da CBF à época da goleada, José Maria Marin, está preso na Suíça por estar envolvido em um escândalo de corrupção na Fifa.